Inéditas do Garoto

Inéditas do Garoto

Esta noite, sonhei que Aníbal Augusto Sardinha estava vivo. Sim, o gênio multi-instrumentista Garoto, que diziam que falecera em 1955 aos 39 anos, não havia morrido. Pelo menos não no meu sonho. Um amigo meu não-identificado chegou a mim com a informação, que depois confirmamos lendo um artigo em um jornal. Importante notar que o dito periódico, porém, tinha uma aparência um pouco antiga… talvez o meu sonho tenha re-elaborado um recorte de jornal de 1955 porém com uma notícia atual… tudo bem, sabemos que o inconsciente, como dizem de certas divindades que não as estou cá a mencionar, escreve certo por linhas tortas.

Aníbal Augusto Sardinha, o Garoto

Aníbal Augusto Sardinha, o Garoto

Enfim, a notícia confirmava que Garoto estava com uns 90 e lá vai pedrada (nota: meu sonho errou por pouco. Garoto completaria 102 anos no mês que vem) e estava internado em uma espécie de hospital psiquiátrico, acho que em alguma cidade perto de São Paulo… fomos imediatamente, claro, fazer uma visita ao mestre.

Chegando lá, ele vestia uma espécie de pijama, não conversava, parecia estar ali só vivendo e curtindo o mundo dele, sem se preocupar com absolutamente nada do que estava ao seu redor. Não parecia um senhor de quase cem anos. Olho prum canto do quarto, pequeno mas bem arrumado, e vejo uma pilha de partituras… dezenas, talvez centenas de composições que ele vinha escrevendo, provavelmente em todos aqueles anos de desaparecimento e reclusão. “Oh, céus”, pensei, enquanto perdia o fôlego.

Por quê, eu me pergunto?

Por que cargas d’água fui acordar bem na hora de ir folhear as partituras inéditas e desconhecidas do Garoto?! O mundo dos sonhos é injusto.

Garoto faleceu aos 39 anos, a mesma idade que eu tenho agora. Jamais me compararia a ele, mas será mera coincidência? Devo preocupar-me?

Leave a Reply